Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Workshop reúne experiências de hortas urbanas no Rio de Janeiro

O II Workshop Redes Sustentáveis lotou o auditório do INT com pessoas interessadas no tema "hortas urbanas". (foto: Dennys Barreto)

Com o tema "Hortas Urbanas", o Instituto Nacional de Tecnologia (INT) sediou, na quinta-feira (28/06), o II Workshop Redes Sustentáveis, organizado pela sua Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável (PLS), em conjunto com a Coordenação de Negócios e a Divisão de Certificação do Instituto. Contando com apoio da Rede de Sustentabilidade ReciclaPorto Rio; do Projeto Compartilhando Ideias Sustentáveis, do Jardim Botânico do Rio de Janeiro; do Polo da Região Portuária; do Comitê de Entidades Públicas no Combate à Fome e pela Vida (Coep/RJ); da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o evento lotou o auditório do instituto para conhecer experiências bem-sucedidas no tema.

O diretor do INT, Fernando Rizzo, fez a abertura do II Workshop Redes Sustentáveis. (foto: Dennys Barreto)A abertura do evento foi feita pelo diretor do INT, Fernando Rizzo, que destacou a importância crescente das iniciativas voltadas à sustentabilidade e a possibilidade de contribuição para o tema a partir da troca de experiências. A presidente da Comissão Gestora do PLS do INT, Maria Carolina Santos, contextualizou o tema "Hortas Urbanas", como parte das atividades do Programa Qualidade de Vida no Trabalho, implementado pelo Instituto. Em seguida, o painel "Hortas Urbanas – Cultivo em pequenos espaços para além do consumo" reuniu várias experiências em andamento nas Instituições parceiras, com a mediação da analista de C&T, Edir Evangelista, da Divisão de Certificação (DICER) do INT.

A gerente da DICER, Rosana Esteves, apresentou o trabalho de certificação de hortas urbanas para produção de orgânicos realizado pelo INT. Ela mostrou que medidas simples relacionadas ao cultivo, como selecionar solo e sementes adequados, não ter tintas ou vernizes nos vasos, não utilizar pneus e o uso correto da água, melhoram a condição do alimento, e têm o valor da confiabilidade agregado pelo processo de certificação. Em maio último, o INT realizou a primeira certificação de horta urbana feita em um shopping no Brasil.

No II Workshop Redes Sustentáveis, Ana Paula Santos (CEM) fala sobre o trabalho de multiplicação de mudas em comunidades cariocas. (foto: Dennys Barreto)

Ana Paula Santos, gestora da organização Centro de Educação Multicultural (CEM), mostrou seu trabalho de produção de viveiros e mudas, que passou a contar com multiplicadores em sete comunidades cariocas, compreendidas na área entre Penha, Vila Cosmos, Engenho da Rainha e Complexo do Alemão. A estrutura criada gera mudas alimentícias, aromáticas, medicinais e Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs), auxiliando na alimentação e saúde dessas populações. Entre os parceiros do trabalho, o INT participou, junto com a Escola Superior de Desenho Industrial (ESDI/UERJ), desenvolvendo o design dos viveiros de muda.

Marcio Mendonça, da organização social AS-PTA – Agricultura Familiar e Agroecologia, mostrou o trabalho de promoção do desenvolvimento rural sustentável realizado na colônia Juliano Moreira. A equipe do Programa de agricultura urbana da ONG presta assessoria técnica e metodológica à comunidade localizada em Jacarepaguá, realizando oficinas e reunindo-se mensalmente com suas lideranças para discutir temas ligados à agricultura e planejar o trabalho, valorizando o conhecimento local.

A pesquisadora Lilia Morais (Embrapa) fala sobre cultivo de fitoterápicos, durante o II Workshop Redes Sustentáveis. (foto: Dennys Barreto)O cultivo de plantas medicinais e aromáticas também integrou o painel, com a apresentação da doutora em Horticultura Lilia Salgado Morais, pesquisadora da Embrapa Agroindústria de Alimentos e professora da Pós-Graduação em Fitotecnia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Abordando as boas práticas agrícolas na cadeia produtiva de fitoterápicos, ela demonstrou a influência do manejo pré e pós-colheita na composição química, no rendimento e na qualidade dos princípios ativos presentes nas plantas.


Na mesa do II Workshop Redes Sustentáveis, da esquerda para a direita: Marcio Mendonça (AS-PTA), Edir Evangelista e Rosana Esteves (DICER/INT), Lila Morais (Embrapa), Ana Paula Santos (CEM) e Ana Oestreich (Condomínio Villa Carioca). [foto: Dennys Barreto]Ana Maria Oestreich, da Comissão de Sustentabilidade do condomínio Villa Carioca, na Tijuca, mostrou a experiência de separação de lixo e horta comunitária desenvolvida pelos moradores. Após uma campanha de capacitação entre os empregados e conscientização entre moradores, que também passaram a atuar como voluntários, passou-se a priorizar a gestão do lixo, água e energia. O resultado do esforço tem sido economia, colheitas diárias e premiações para os funcionários envolvidos.

Mãos na terra

A presidente da Comissão de Logística Sustentável do INT, Maria Carolina Santos, planta no pátio do Instituto uma muda de pau-brasil doada pelo Jardim Botânico.

   A vice-diretora do INT, Iêda Caminha, planta muda no pátio do Instituto. (foto: Dennys Barreto)

 

 

 

 

 

 

 

 

Após o debate, a parte prática do Workshop foi iniciada com a oficina "Mãos cultivando em pequenos espaços", em um canteiro no pátio do INT. Sob orientação dos colaboradores Éricson Brito, Juliana Scofano e Anny Oliveira, os participantes plantaram mudas de plantas fitoterápicas, cedidas pela Fiocruz, e plantas nativas frutíferas, doadas pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

 

Plantio na Escola Padre Francisco da Motta. (Foto: Andrea Lessa)Na parte da tarde, a atividade de plantio aconteceu na Escola Padre Francisco da Motta, no Largo da Prainha, na Saúde, próximo ao INT. A pesquisadora Lilia Morais, da Embrapa, ministrou a oficina com turmas de alunos, que puderam plantar mudas de plantas fitoterápicas doadas pela Fiocruz.

A atividade teve parceria com o Comitê de Entidades no Combate à Fome e pela Vida (Coep-RJ) e as mudas recebidas também foram destinadas a Instituições integrantes da Rede Recicla-Porto.

Fim do conteúdo da página