Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Homenageado por INT e ABM, Prof. Longo destaca necessidade de mais investimentos em P&D
Início do conteúdo da página
Notícias

Homenageado por INT e ABM, Prof. Longo destaca necessidade de mais investimentos em P&D

Publicado: Quinta, 29 de Novembro de 2018, 15h03
imagem sem descrição.

Em homenagem promovida pelo Instituto Nacional de Tecnologia (INT) e pela Associação Brasileira de Metalurgia,  Materiais e Mineração (ABM), o Prof. Waldimir Pirró e Longo ressaltou a importância dos investimentos do Brasil em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). Autoridade no tema de gestão e políticas tecnológicas, sendo idealizador do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PADCT) que mudou a perspectiva de apoio à Inovação no País, Longo fez uma análise lúcida e contundente. Elogiando a perspectiva de volta de um Ministério da Ciência e Tecnologia independente no novo governo do País, ele recomenda ao futuro ministro Marcos Pontes que defenda mais investimento na área, na direção dos 2% do PIB, valor mínimo investido pelos países que dominam o mundo economicamente, tecnologicamente e militarmente. Assim o professor espera que este retorne a “ser um ministério importante de uma política nacional de Estado”.

O Prof. Pirró e Longo assiste à homenagem, no auditório do INT (Foto: Dennys Barreto/INT)

Realizado no dia 27 de novembro, no auditório do INT, o evento reuniu dirigentes e representantes de diversas instituições de Ciência e Tecnologia, universidades, agências de fomento e associações de engenharia. A maioria dos presentes esteve de alguma forma ligada à trajetória do professor, marcada pela carreira acadêmica incomum – com diploma de engenheiro recebido das mãos do presidente Juscelino Kubitschek pelo primeiro lugar no curso do Instituto Militar de Engenharia (IME), mestrado e doutorado em engenharia de materiais concluídos em apenas 2 anos e meio na Universidade da Flórida, nos EUA, e título de professor emérito da Universidade Federal Fluminense (UFF) – e pela liderança nas políticas voltadas ao Desenvolvimento Tecnológico, com cargos exercidos no INT/Fundação de Tecnologia Industrial (FTI), Escola Superior de Guerra (ESG), FINEP, MCT e SECTEC-RJ, entre outros.O presidente da ABM, Horacidio Leal fala da importância da homenagem ao engenheiro Waldimir Pirró e Longo. (Foto: Dennys Barreto/INT)

O presidente executivo da ABM, Horacidio Leal Barbosa Filho, justificou a homenagem não só pela oportunidade de reconhecer a trajetória do Prof. Longo para o País, mas pela sua importância na difusão do conhecimento técnico-científico, que se afina com a missão da Associação. “Fundamentais para o desenvolvimento do País, a Ciência e a Tecnologia do Brasil necessitam cada vez mais de pessoas como Pirró e Longo” – destacou o engenheiro.O diretor do INT, Fernando Rizzo, ressaltou as características de liderança e excelência do Prof. Longo. (Foto: Dennys Barreto/INT)

 

Já o diretor do INT, Fernando Rizzo, que teve Pirró e Longo como professor, enalteceu suas características de liderança e excelência. “Por onde passou, deixou uma marca muito positiva”, ressaltou Rizzo, que também é engenheiro metalúrgico e conselheiro da ABM. O diretor do INT prosseguiu descrevendo a liderança do Prof Longo como natural, descrevendo sua forma de lidar com todas as pessoas ao seu redor com serenidade e empatia, demonstrando uma humildade altiva, além de estar permanentemete atualizado e possuir uma visão muito abrangente sobre tecnologia e gestão tecnológica, que compuseram a carreira marcada pela excelência. Fernando Rizzo prosseguiu sua fala apresentando um histórico da trajetória, com algumas das principais realizações e conquistas de Waldimir Pirró e Longo. (Veja aqui a apresentação.) 

Depoimentos evidenciam importância da trajetória de Longo

 

Sérgio Neves - presidente do Conselho de Administração da ABM. (Foto: Dennys Barreto/INT)Tendo como mestre de cerimônias a engenheira Iêda Caminha, vice-diretora do INT e presidente da Regional Rio da ABM, o evento contou com depoimentos elucidativos e emocionantes dos participantes. Contemporâneo de Longo em seus cursos de pós-graduação na Universidade da Flórida e, mais tarde, em cargos da Secretaria de C&T do Estado do Rio de Janeiro, o presidente do Conselho de Administração da ABM, Sérgio Neves Monteiro, relatou o aspecto de dedicação e trabalho que permitiram ao colega concluir em tempo recorde o seu mestrado e doutorado e imprimir seu trabalho diferenciado como gestor. “Longo ainda tem muito a contribuir para o País, é uma pessoa que luta pela soberania tecnológica como ninguém”, destacou.

 

Eduardo Jardim. (Foto: Dennys Barreto/INT)professor de Engenharia de Produção da UFRJ e ex-coordenador do INT, Eduardo Jardim, destacou o caráter empreendedor e inovador do professor. Jardim relatou o contato que teve com Longo no início da década de 1970, quando este juntamente com o Prof. Ubirajara Quaranta Cabral liderou no INT o projeto GTCID, que “teve grande impacto na formação de engenheiros, professores e especialistas”.

 

2018 11 27 homenagem Prof Longo 05 foto dennys barretoA ex-diretora do INT, Maria Aparecida Stallivieri Neves, ressaltou “o pensamento de vanguarda de Ciência e Tecnologia do mestre, que embasou muitas das teorias de desenvolvimento econômico e desenvolvimento tecnológico e científico consideradas atualmente”. Destacou ainda sua contribuição institucional em diversos níveis de governo e sua contribuição pessoal em sua carreira como gestora de C&T. Maria Aparecida relembrou o início dessa trajetória, na FTI, quando o acompanhava semanalmente à Lorena para acompanhar a instalação da planta piloto de Nióbio e outros programas por ele encabeçados à época, e um momento decisivo quando a convenceu a assumir a presidência do Conselho da Rede de Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro (Redetec), ressaltando a relevância da missão da entidade.

 

Maria Sylvia Derenusson, da Finep. (Foto: Dennys Barreto/INT)Tendo contato com Waldimir Longo quando este assumiu a coordenação de Relações Institucionais e depois a vice-presidência da FINEP, a assessora da Financiadora, Maria Sylvia Derenusson, tem marcada a memória dele como a pessoa que negocia o PADCT, em uma época – década de 1980 – de poucos investimentos. O novo programa incorporava prioridades, levava os projetos a serem analisados por comitês ad hocs, e fez com que os investimentos voltassem, deixando clara a habilidade daquele executivo. Quase 15 anos depois, na área de captação, outra vez enfrentando dificuldades para destinar recursos a programas de P&D, contou com a intermediação de Longo em uma reunião com área econômica do Governo. Seu conhecimento de gestor transmitiu o entusiasmo necessário sobre a importância da área de pesquisa, e a proposição foi aprovada por unanimidade, “o que na atividade de captação representava uma vitória muito grande. O Brasil tem capacidade de reação, foi a grande lição que mais aprendi com você” –  declarou Maria Sylvia ao homenageado.

 

Hugo Tulio Rodrigues. (Foto: Dennys Barreto/INT)O consultor Hugo Tulio Rodrigues, diretor da VL3 aprendizagem, teve contato profissional com Longo também por conta do PADCT, enquanto atuava como coordenador adjunto do PADCT da Tecnologia Industrial Básica. Relata a revolução que representou em termos da gestão, dos processos e no papel de fazer acontecer, sobretudo com a disseminação do modelo de editais. Também trabalhou com o professor quando este foi convidado pelo Secretário de C&T do Estado do Rio de Janeiro, José Pelúcio Ferreira, a ocupar o cargo de Subsecretário Adjunto de Tecnologia, e em seguida assumiu a presidência da Empresa Fluminense de Tecnologia (FLUTEC). Desta experiência relata o sucesso do colega na aplicação de um modelo de gestão para a área de C&T. José Raymundo Romêo, ex-reitor da UFF. (Foto: Dennys Barreto/INT)“Longo tem uma visão sistêmica, lida com a parte tecnológica e gestão e tem em sua trajetória a marca de empreendedor”, destaca.

 

O ex-reitor da UFF, José Raymundo Romêo, lembrou do período em que teve o Prof. Longo à frente de sua Pró-Reitoria, entre 1991 e 1994. Em uma época de cortes orçamentários na Universidade e proibição para nomeações de novos professores, ele conseguiu um parecer para realizar novos concursos. Assim, a limitação imposta foi transposta e, em 4 anos, a UFF realizou 342 concursos para professor adjunto e 116 para professor titular. “Concursos marcados pela correção e qualidade, onde os avaliadores externos eram de outros estados”, ressalta Romêo. O ex-reitor também atribui ao seu colaborador, nesse movimento, a guinada que possibilitou à universidade atingir a excelência nos cursos de pós-graduação, que até então não eram considerados da mesma forma que a ótima graduação já existente.

 

João dos Anjos, diretor do Observatório Nacional. (Foto: Dennys Barreto/INT)Outra participação decisiva de Waldimir Longo foi como diretor do Observatório Nacional (ON), quando entre outras ações disseminou o uso da Hora Legal Brasileira. O atual diretor do ON, João dos Anjos, apresentou o fato relatando que, ao assumir o Observatório, Longo detectou as más condições do antigo prédio do Serviço da Hora, indicando à Defesa Civil que o avaliasse. “De posse do laudo negativo, que recomendava o fechamento, ele conseguiu que o Ministro liberasse recursos para refazer não só o prédio, como para modernizar seus equipamentos e implementar o sincronismo da Hora Legal Brasileira (times temp), que assegura o momento exato para todas as operações bancárias e financeiras”.  A realização viabilizou um serviço essencial para o País e uma importante fonte de recursos para as atividades da Instituição. Na área de Geofísica, por sua vez, revisitou pontos da rede gravimétrica e rede magnética, acertando anomalias e aumentando a precisão das medidas geomagnéticas que servem, entre outras coisas, para a detecção de jazidas em solo nacional, adquirindo para isso também o primeiro gravímetro absoluto do hemisfério sul. Na área de Astronomia, estendeu o convênio do ON com o ESO –  European Southern Observatory, instalado no Chile – para que toda a comunidade de Astrofísica do Brasil também pudesse utilizar os recursos desse observatório estrategicamente posicionado.

 

Alfredo Tolmasquim, ex-deiretor do MAST, hoje no Museu do Amanhã. (Foto: Dennys Barreto/INT)O diretor de Desenvolvimento Científico do Museu do Amanhã, Alfredo Tolmasquim, por sua vez, relatou a situação do Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), onde atuava como pesquisador (e também se tornaria diretor, anos depois), no mesmo período em que Longo dirigia o ON. Era 2001, e o Ministério da Ciência e Tecnologia estava com um projeto de incorporar novamente o MAST ao ON –  de onde surgira a instituição, ocupando o mesmo campus –, o que não era bem visto pelos pesquisadores e culminou com a entrega do cargo pela então diretora do Museu, Mirian Rodin. Assumindo então a Direção do MAST, o Prof. Longo promoveu um estudo sobre a situação, e a recomendação ao Ministério que culminou com a manutenção do Museu e do ON, que avançaram em suas missões. Outro ponto lembrado por Tolmasquim foi a “Confraria do Bacalhau”, almoço informal instituído pelo professor no restaurante Cidade do Porto, próximo às duas instituições, que conseguiu congregar vários dirigentes da comunidade científica e tecnológica, fortalecendo o “networking” entre eles.

 

O engenheiro químico Peter Seidl, da EQ/UFRJ, prepara uma biografia sobre Waldimir Piró e Longo. (Foto: Dennys Barreto/INT)O último depoimento dentre os convidados foi o do pesquisador da Escola de Química da UFRJ, Peter Seidl, que organiza uma biografia sobre o homenageado. Seidl relatou a motivação do livro, que surgiu exatamente a partir das histórias que o professor contava aos seus colegas na Confraria do Bacalhau. “Longo promove aquilo que todos estão procurando, que é um convívio, onde as pessoas podem colocar suas posições e discuti-las, e como todos os demais relatam, mesmo em situações adversas, colocar as coisas para andar. Ele nos dá uma lição de otimismo” – sintetizou o biógrafo.

 

2018 11 27 homenagem Prof Longo 13 foto dennys barreto

O evento terminou com a entrega de uma placa comemorativa da ABM e INT ao homenageado, recebida das mãos do diretor Fernando Rizzo e do ex-coordenador do INT, Ubirajara Quaranta Cabral, ambos conselheiros da Associação. Emocionado, o Prof. Waldimir Pirró e Longo apontou o evento como um dos dias mais felizes da sua vida, quando se sente realizado pela sua trajetória.

 

Não fugindo às análises, que lhe deram notoriedade também em mais de 100 artigos publicados, ele destacou o impacto das novas tecnologias, considerado como a 4ª revolução industrial. Citou tecnologias que estão mudando o mundo físico –  biotecnologia, robótica, impressão 3D, novos materiais, Internet das coisas, e transmissão, armazenamento e captura de energia –  e outras tecnologias que transformam o mundo digital:  inteligência artificial, blockchain,  novas tecnologias computacionais, realidade virtual e realidade aumentada.

 

“Em outras palavras, o novo modelo de revolução não será uma tecnologia, mas a convergência de várias tecnologias que nós já estamos assistindo.  Olhe o que é um celular de 5 anos atrás e o que é um celular hoje. Convergindo todas as tecnologias numa maquineta diabólica que se leva no bolso, ele muda dinheiro de lugar, ele fala, ele fotografa. Acabou maquina fotográfica, acabou, quem é que vai comprar uma maquina fotográfica? A Kodak acabou por que? Nós estamos numa velocidade muito maior do que no passado e estamos ainda bobeando com relação a isso. Ciência e tecnologia tem que ser uma prioridade de Estado, se é que nós somos uma nação independente, soberana e que possa dizer não aos países centrais.” –  disparou o professor.

 

Também mantendo a sua marca de conselheiro de estratégias políticas, não deixou de mandar um recado para o novo governo:

“Eu diria ao Marcos Pontes e, dando meus parabéns ao atual presidente do Brasil, se ele vai realmente sacramentar o retorno do MCT como uma unidade do governo independente e não subdividido junto com outra, que estabeleça como prioridade o MCT retornar a ser um ministério importante e da política de Estado nacional e que ele volte para recompor no mínimo a curto prazo o orçamento que foi anterior ao atual, que chega a 1,3 do PIB com a meta de apontar para um futuro de 2% e caminhar nessa direção.” –  conclui o Professor.

A homenagem ao Prof. Longo está registrada integralmente em vídeo. Assista aqui.

Fim do conteúdo da página