Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Projeto que aproveita sementes de açaí é escolhido para 2ª fase de apoio do Serrapilheira
Início do conteúdo da página
Notícias

Projeto que aproveita sementes de açaí é escolhido para 2ª fase de apoio do Serrapilheira

Publicado: Sexta, 17 de Mai de 2019, 17h28
Pesquisadora do INT receberá mais R$ 1 milhão para desenvolver o trabalho
Os representantes do Serrapilheira, Hugo Aguilaniu (diretor-presidente), Cristina Caldas (diretora científica) e Cristina Campos (conselheira), ao lado de três dos pesquisadores escolhidos presentes ao anúncio: Carlos Granade (CPRM), Ayla Sant'Ana (INT) e Karín Menéndez-Delmestre (Observatório do Valongo/UFRJ).            [Foto: Amanda Oliveira/INT]
Os representantes do Serrapilheira, Hugo Aguilaniu (diretor-presidente), Cristina Caldas (diretora científica) e Cristina Campos (conselheira), ao lado de três dos pesquisadores escolhidos presentes ao anúncio: Carlos Granade (CPRM), Ayla Sant'Ana (INT) e Karín Menéndez-Delmestre (Observatório do Valongo/UFRJ). [Foto: Amanda Oliveira/INT]

A doutora em bioquímica Ayla Sant’Ana da Silva, pesquisadora do Instituto Nacional de Tecnologia (INT), foi um dos 12 cientistas escolhidos pelo Serrapilheira para desenvolver a segunda fase de seu projeto apoiado na 1ª Chamada Pública de Pesquisa Científica da Organização. O anúncio foi feito no último dia 17 de maio, no auditório do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), pelo diretor-presidente do Serrapilheira, Hugo Aguilaniu. Os trabalhos selecionados, dentre 65 que receberam apoio de R$100 mil para desenvolver a primeira fase da pesquisa, terão agora apoio de mais R$ 1 milhão para o desenvolvimento do seu projeto, em três anos.

O projeto de Ayla Sant’Ana, “Rotas biotecnológicas para conversão da semente de açaí em energia e produtos com alto valor agregado”, contempla o aproveitamento da semente do açaí, que é descartada na produção da polpa e corresponde a 90% do fruto. Segundo dados do IBGE, a produção anual de açaí equivale a 1,3 milhões de toneladas, o que resulta em cerca de 1 milhão de toneladas de sementes descartadas no meio ambiente.

Ayla Sant'Ana (ao centro) e sua equipe no Laboratório de Biocatálise do INT. (Foto: Amanda Oliveira/INT)

Desenvolvida no Laboratório de Biocatálise, na área de Catálise e Processos Químicos do INT, a pesquisa da bioquímica constatou que a semente do açaí é riquíssima em manana, um polissacarídio encontrado em outros vegetais em pequenas quantidades, que pode ser aproveitado na produção de gomas espessantes, compostos prebióticos e fármacos. A pesquisadora também desenvolveu o processo para extrair um licor vermelho da semente, onde identificou grande concentração de antioxidantes.

As propriedades desses novos subprodutos eleva as sementes de açaí à condição de matéria-prima para produtos de alto valor para as indústrias de cosméticos e alimentos. Em outra vertente, o trabalho aponta para o uso dessa biomassa residual, acumulada em regiões remotas do Norte do Brasil, como alternativa para produção de energia em pequenas comunidades que não têm acesso a centros de distribuição de eletricidade.

Essa solução envolve um método biológico, que converte a semente de açaí em energia usando bactérias anaeróbias. Esses microrganismos transformam açúcares em hidrogênio e metano, tipos de biogás com alto valor energético. Mesmo com um custo relativamente alto, a produção de energia associada à obtenção de outros produtos de alto valor pode viabilizar economicamente todo o processo.

Um apoio diferenciado

Os projetos apoiados pelo Serrapilheira buscam responder a grandes questões de suas áreas de connhecimento. Privado e sem fins lucrativos, o Institituto apoia pesquisas ousadas de jovens doutores, ainda que envolvam estratégicas de risco e procura dar liberdade de investimentos aos cientistas. 

"Buscamos criar uma rede de cientistas de excelência, que se tornem lirenças para a ciência brasileira no futuro" - destacou o diretor-presidente do Serrapilheira Hugo Aguilaniu, durante a divulgação do resultado da etapa final da primeira chamada pública da organização. O princípio do Instituto é concentrar recursos em poucos projetos mas com forte potencial, em investigações que apostam no desenvolvimento de uma ciência internacionalmente competitiva.

Nesta segunda fase, os trabalhos dos 65 cientistas inicialmente selecionados entre 1.955 inscritos, foram reavaliados por revisores nacionais e internacionais, além do Conselho Científico do Serrapilheira.

Outra inovação desse edital é o estímulo à diversidade na ciência. Do financiamento de R$ 1 milhão disponibilizado aos grantees, R$ 700 mil são concedidos de forma incondicional e os R$ 300 mil restantes destinados à estimular a diversidade entre os pesquisadores, estando condicionados à incorporação de grupos subrepresentados em suas equipes de pesquisa, como pessoas de diferentes etnias, gêneros ou com necessidades especiais.

Saiba mais sobre o programa e conheça todos os 12 pesquisadores que tiveram seu apoio renovado pelo Serrapilheira.

Fim do conteúdo da página